segunda-feira, julho 10, 2006

Alguém me disse... Parte 2

A respeito do que penso e do que escrevo...

VAMOS FALAR DE COMENTÁRIOS?

Li, em algum lado, que visitar um blog e não deixar um comentário é como visitar a casa de alguém e sair sem se despedir do dono(a) da casa.
Não tenho nada contra tal entendimento, mas não o partilho. Na prática, toda a gente sabe que não funciona. Basta-nos comparar o contador de visitas com a totalidade dos comentários, para o constatar.
No que me diz respeito, confesso que nas minhas visitas, página a página, só deixo comentários quando aquilo que leio, ou vejo, me desperta interesse. Quando o conteúdo que encontro não me interessa, ou não me merece concordância, saio simplesmente, tão "silenciosamente" como entrei. Até por respeito pelo autor.
A não ser assim, só me restaria entrar naquela espiral de comentários insípidos, do tipo: "Olá! Gostei muito do teu espaço. Passa no meu!" O que, apesar de completamente inócuo, me parece desprovido de qualquer interesse.
Aceito que haja quem goste de somar comentários. É um prazer absolutamente legítimo. Nessas condições, qualquer comentário importa, já que é mais um. E esses - os inócuos - ainda que sem acrescentarem nada de relevante são, certamente, muito mais correctos do que os daqueles que, quando não estão de acordo com os textos que lêem, se insurgem, indelicadamente, argumentando que "o assunto não lhes diz respeito, nem lhes interessa". Como se todo o mundo tivesse que girar ao redor dos seus interesses.
Proceder desse modo não poderá também ser tomado como a atitude da visita que, por não gostar da mobília, se acha no direito de ser incorrecta para com o dono da casa?...
Para lá da grosseria, a todos os títulos criticável, um tal comentário sugere questões como:
- Porque é que um assunto que, alegadamente, desconhece, pode mexer tanto com a pessoa ao ponto de lhe provocar tal reacção?
- Porque é que alguém reage grosseiramente a um assunto que, ao que argumenta, lhe não diz respeito?
Será que o desconhecimento e o desinteresse não é tanto assim?


D R A M A

O drama dos, pretensos, eruditos
Tornados os obreiros dum regime
Que tem o disparate por sublime,
É não fazer dos outros os malditos.

Resquícios das inércias dum passado,
Que os fez achar ambrósias nas estrelas,
Bem longe, onde ninguém pudesse vê-las,
Quais filhos dum Atreu reeditado.

Por isso tecem loas a cobardes
E vão enaltecendo os assassinos,
Em rimas e discursos asininos;

Mas nem por nos fazerem tais alardes,
Conseguem disfarçar o quão cretinos
São esses seus Atridas pequeninos.

Vítor Cintra
No livro: VERTIGEM

9 Comentários::

At 11/7/06 5:03 da manhã, Anonymous sentada no sofá blue said...

Olá, Vitor, chegando de mansinho, meio que sem fazer alarde para não atrapalhar teu pensamento.Concordo integralmente com o conteúdo do teu post de hoje. Melhor calar do que falar bobagem.Parafraseando um antigo ditado "o silêncio é ouro".
Só tem uma coisa: neste universo vitual, há pessoas que fazem a diferença e uma simples palavra de atenção alegra o nosso coração.No meu cantinho os amigos serão sempre bem vindos, ainda que em silêncio, se lhes aprouver.
Abraço blue.

 
At 11/7/06 6:51 da tarde, Anonymous Hilda said...

Audácia para ser sincero é o que falta à maioria, principalmente e infelizmente, aos políticos e aos governantes, em você, J. Vitor, sobra.

 
At 11/7/06 10:16 da tarde, Blogger soslayo said...

Vítor Cintra:

No tocante ao teu texto subscrevo o teu ponto de visto. Mas há comentários que realmente são no mínino inócuos, por que apenas dizem: "gostei de passar por aqui". Ora bem, se não se referiu ao que leu, melhor teria feito se não dissesse nada! O teu soneto está simplesmente lindíssimo. Um abraço.

 
At 11/7/06 10:59 da tarde, Anonymous nancy moises said...

Amo amar alguém e você?
Veja o Verbo Amar em poesia no Lua em Poemas.
Bjs

 
At 12/7/06 9:27 da manhã, Blogger Sara Fuentes said...

Vitor
Vim agradecer os comentários e ao ler teu texto, mais feliz eu fico. Pois se comentaste é porque em algo te atingi. Obrigada pelo carinho. Concordo inteiramente contigo.
Um grande beijo deste Brasilzão!

 
At 12/7/06 9:21 da tarde, Blogger Luna said...

Estou de acordo com o que dizes,as pessoas são diferentes é natural, que nem tudo nos toque da mesma forma, eu também passo em muitos espaços a não comento.

O poema esta lindo
beijos

 
At 14/7/06 7:48 da tarde, Blogger tb said...

Planamente de acordo. Eu nem sequer tenho um contador no meu blog. Quem lá vai vai e quem quer dizer diz, quem não quer não diz. Eu faço o mesmo nos blogs que visito. O blog é um espaço onde vou colocando algumas linhas de pensamento meu, ou pontualmente de outros e não tem mais nenhum objectivo.
Linda a tua forma de descernir sobre as coisas...
Beijos

 
At 16/7/06 7:48 da tarde, Blogger Manel do Montado said...

A verdade é que a todos nos agrada que nos "entrem em casa" e comentem a decoração, é dos mínimos.
Nada me dizem as passagens a vol d'oiseau, pois se tenho uma porta aberta entra quem quer e é bem-vindo, quem não quiser entrar que tenha uma boa continuação.
Vou que se faz tarde.

 
At 20/7/06 11:45 da tarde, Blogger Sophie said...

Olá Vítor!
Estou plenamente de acordo consigo. E fico feliz, por saber q quando passa no meu blog e comenta é porque lhe agradou mesmo.
Obrigada por ser assim, sincero. Já não existe muita gente assim, infelizmente.
Continue a escrever sempre, pois fá-lo muitíssimo bem.
Um grande beijo,não da Sophie, mas da Ana

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home