segunda-feira, março 05, 2007

AS NOVAS ESCRAVAS

(Imagem recolhida na internet)
O nº 730 da revista VISÃO, publica um trabalho de Henrique Botequilha e Isabel Marques da Silva, com fotos de Lucília Monteiro, sob a tragédia das mulheres vendidas, quer em Portugal, quer em Espanha.

Perseguindo o sonho, com que as aliciaram, centenas de mulheres acabam inevitavelmente num bordel, vítimas do tráfico a que uma justiça inoperante, ou uma legislação permissiva, não parecem conseguir pôr cobro.

"Sob violência extrema, em condições degradantes, o tráfico de mulheres está entre nós. Nas ruas, nas casas de alterne e nos anúncios dos jornais. A VISÃO investigou, em Portugal e em Espanha, as circunstâncias e os esquemas de um negócio sórdido que se alimenta de impunidade. Do 'olheiro' ao 'loverboy', do isco à escravidão, a denúncia de quem foi tratada como mercadoria humana."

Assim começa este trabalho jornalístico que, mais do que apenas lido, carece ser meditado.


A R R E P E N D I D A

Julgando dominar o seu quebranto
Deixou-se possuir, lavada em pranto,
Por sonhos ressurgidos do passado;
E porque, nesses sonhos, quando chora
Afasta a solidão, que a apavora,
Esquece o seu presente amargurado.

Sentindo ter um nó dentro do peito,
Com muito de amargura e com um jeito
De dor que, quando surge, gera mágoa,
Abafa, num soluço, o seu desgosto,
Tentando dominá-lo a contragosto,
Enquanto sente os olhos rasos de água.

E cada dia traz nova saudade
Do tempo que viveu na mocidade,
Sem ter quaisquer cuidados de maior;
Saber que, nesse tempo, foi feliz

E até que perdeu isso porque quis,
Só vem acentuar a sua dor.

Vítor Cintra
No livro: MOMENTOS

21 Comentários::

At 5/3/07 2:26 da tarde, Blogger Palavras_@vesso said...

Sem dúvida para meditar.
É arrepiante pensar nas atrocidades essas mulheres estão sujeitas... enquanto... nós lidamos com o "simples" strees diário.Com o quê e com quem estaram, elas, a lidar neste preciso momento?
Bom Post.
Bjks @vesso

 
At 5/3/07 3:18 da tarde, Blogger Vida said...

Para meditar sim, mas infelizmente só podemos meditar, são "negócios destes" que nenhum país está interessado em se envolver e nunca se vão resolver, pobres daquelas que sem querer vão parar nas malhas desta vida, longe do seu país, de familia e ficam sem outra solução.

Beijos.

 
At 5/3/07 3:43 da tarde, Blogger DIGNIDADE said...

Olá!
Triste verdade e realidade esta, mas o nosso Estado, como sempre, varre o "lixo para baixo do tapete" e a pena mínima, quase nunca aplicada, aos traficantes de seres humanos é de dois anos e, de três se forem menores. Claro que as mentes brilhantes estão a pensar legalizar as/os prostituta(o)s que queiram denunciar as redes...só para rir...já estou a ver as jogadas que se vão fazer à conta deste brilhantismo...e claro que esta gente escravizada e brutalizada, sai livremente e sobrevive a uma denúncia deste tipo...e vive feliz para sempre...cambada de cretinos!
Estes governantes e traficantes impunes é que são verdadeiras prostitutas, sem pudor nem respeito pela vida dos mais frágeis.
Agradeço o esforço que tantos ilustres desconhecidos empreendem para ajudar estes milhões de vítimas...e só espero que os clientes desta forma de escravidão, não sejam um dia explorados e traficados, por outros oportunstas iguais aos que eles são hoje.
Parabéns pelo post e um bj!

 
At 5/3/07 4:43 da tarde, Blogger Vera said...

Querido Vitor, és grandioso por a tua lembrança. Infelizmente é uma realidade bem triste. Mulheres e também crianças vendidas como simples objectos sexuais de divertimento de uns seres desumanos. E a sociedade e os governantes em geral fingem que não existe... E a escravidão humana continua com a permissão de todos.
Realmente merece ser lido, meditado e falado.
Quanto ao teu poema, absolutamente magnífico, como sempre. És realmente um poeta e um ser humano extremamente dotado!

Beijinhos

 
At 5/3/07 8:35 da tarde, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Vítor!
É uma das realidades mais arrepiantes e tristes que existe!
Mulheres (não esquecendo as crianças que desaparecem e, muitas vezes, estão nestes caminhos sem ninguém as poder salvar!)que vão à procura de trabalho e são enganadas e tratadas como meros objectos sexuais sem nenhum pudor!
Vivemos numa sociedade muito doente, para não dizer esquizofrénica porque permite este tipo de situações e não as combate!
Gostei do post, reflecte uma realidade que muitos preferem ocultar...e o poema está excelente ....como sempre!!!
Parabéns e um beijinho!

 
At 5/3/07 9:04 da tarde, Blogger PR said...

Excelente post. Boa noite, um abraço.

 
At 6/3/07 7:50 da manhã, Blogger chuvamiuda said...

......................

ontem como hoje, a escravatura persiste, somos escravos dos vícios, do caminho "mais fácil", do querer ser, do querer ter, tudo vendemos e tudo compramos.

naturalmente, há sempre quem saiba aproveitar e explorar essas fraquezas, seria de esperar que com tanta evolução científica, com tanta tecnologia, com tantas outras coisas o modo de estar em sociedade se modificasse para melhor.

mas não tal como a tecnologia e o saber avançam, o modo de exploração do ser humano pelo ser humano, é cada vez mais sofisticado, embora na essência seja primitivo como sempre.

..................

Abraço e bom dia

 
At 6/3/07 12:19 da tarde, Blogger Ana S. said...

A escravatura é um mal que infelizmente não acabou e é cada vez mais frequente hoje em dia.
Traficam-se corpos em troco de nada mas há a esperança de que não se trafiquem almas para terem força para libertarem-se.
beijos

 
At 6/3/07 9:11 da tarde, Blogger Conceição Bernardino said...

Olá,

Povo

Ò povo que trais sem saber
O corpo que cansada da luta não
Pode ver

Ò néscio que não tiveste
Quem a ti te ensinasse
A andar.

Ò triste que caminhas com os
Pés dos outros,
Sem saber no que estás a pisar!

Poema da autoria de LILIANA BARRETO do LIVRO POISEIS II

Desejo-te uma bela semana, na companhia deste belo poema que encantou os sentidos.

Beijinhos ConceiçãoB
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

 
At 6/3/07 11:27 da tarde, Blogger Escorpiana Explosiva said...

Isso são coisa que acontece frequentimente em todos os paises,até quando nós mulheres vamos ser tratadas como mercadorias.

Umas sente muito por ter que ser assim para ter o que dar de comer aos filhos,outras nem ligam mais,e outras ainda lutam por seus direitos para não serem mais tratadas dessa maneira.

Será que isso um dia vai mudar,uma parte de mim diz que sim ja a outra se cala pois tem quase certeza que não.

Devemos nós mulheres se unir e ir atrás da nossa liberdade vamos dar um basta nesses homens crueis que vende nós a outros que nem sabem o que é ter uma alma ferida dentro de nós.

As pessoas que vende outra pessoa no minimo não é pai nem mãe para saber o quanto isso é doloroso pra quem tem que passar por issso, deitar sem sentir prazer,não conhecer a palavra amor ,carimho e respeito.

Um abraço,Escorpiana Explosiva.

 
At 7/3/07 10:06 da manhã, Blogger Papoila said...

Vitor Cintra:
Magnífico este poema de uma dura realidade que existe, que necessita de ser levada a sério, daquelas que são tratadas como escravas, num negócio sujo que tem de ser denunciado.

Manifesto, de uma prostituta...

A quem interessa a saudade de minha alma
se a sombra de meus passos se perdeu
deixando-me abandonada à ilusão da manhã
para a futilidade de novo dia…
Certa que o céu se cobrirá
de vermelhos matizados
tal qual meus braços
derramando a seiva
da própria vida.
Qual o papel desta existência
com dolorosas perdas,
alimentada pela mediocridade
ininterrupta de gestos
presos pelo preço
da liberdade insegura
de passos no vazio
Dispara directo
sem medo do inferno
sem vacilar sequer
no valor da minha vida
massacrada pela ignomínia
a que devotam meus filhos
Moedas de prata
que vendem minha alma
pela pobreza insensível
do desamor.
Vendo meu corpo e minha alma,
sem remorsos nem regateios,
a quem aceite
caminhos desviados
abraços frustrados
e beijos esquecidos.
Nem uma lágrima mais
derramarei por vós…
A minha voz se calará
e de meu corpo apagarei as carícias.
Ao entregar minha alma e meu corpo
deixei cair as asas
do meu voo de mulher
tornando-me escrava e
amante de paixões reprimidas

Beijo

 
At 7/3/07 2:58 da tarde, Blogger leituras said...

Esta é a tragédia que, depois da pedofilia, nos faz perceber quanta degradação campeia, impunemente, por toda a parte, perante uma indiferença incompreensível das autoridades.
O poema, como todos os que escreves, não carece referência elogiosa.

Uma boa semana

 
At 7/3/07 8:57 da tarde, Blogger MRelvas said...

Um tema interessante e actual que li na revista!




Um poema belo como sempre!

Abraços amigo Vitor

Mário Relvas

 
At 8/3/07 10:11 da manhã, Blogger Isabel-F. said...

engraçado...
tinha a ideia que já tinha comentado este post ... mas vejo que o meu comentário não veio aqui parar ...

eu não consigo perceber como é que nos dias de hoje haja mulheres que se deixem levar e se deixem meter nestas teias ...
segundo uma notícia/entrevista que houvi relativamente há pouco tempo na rádio parece que o negócio já nem é tão rentável como dantes ... uma fulana dizia que fazia uma média de 200 euros por dia e que agora conseguia somente 60 euros por dia e que estava a pensar em arranjar um trabalho "normal" ... enfim....

o teu poema: maravilhoso

Bjs

 
At 8/3/07 7:49 da tarde, Blogger António Rosa said...

Depois de ter terminado com o "Postaias da Novalis" a 5 de Fevereiro, para me dedicar mais à astrologia, tenho aproveitado este tempo para desenvolver mais os conceitos evolutivos dos signos do zodíaco, como base elementar desta nossa reencarnação.

Aqui fica o convite para conhecer melhor o signo onde está o seu sol de nascimento, podendo também copiar o dos seus familiares e amigos.

Copie-os para o word, para melhor poder reflectir sobre o signo mais importante do seu zodíaco.

Agradeço comentários no sentido de melhorar os textos, aprofundando-os.

Um abraço,

António Rosa

 
At 9/3/07 9:37 da tarde, Blogger António Lisboa Gonçalves said...

Vergonhosa esta humanidade onde seres humanos exploram, escravizam, humilham, ignoram o seu semelhante!
Cada vez mais gosto dos animais... irracionais.
Um abraço

 
At 10/3/07 2:36 da manhã, Blogger Escorpiana Explosiva said...

Onde andas meu caro amigo estou aqui só pra desejar bm fds,bjo

 
At 10/3/07 11:12 da manhã, Blogger soslayo said...

Vítor Cintra:

Sei que isso é uma realidade dos nossos dias, pelo o que vejo nos mais variados noticiários mas, recuso-me acreditar que no início do século XXI que estamos a viver ainda haja esse tipo de exploração entre seres humanos. Mas, depois de ver todos os dias os nossos governantes a subtrair cada vez mais direitos adquiridos pelos cidadãos conquitado ao longo dos tempos não me admira que incentive a essas práticas desumanas... Que fazer, se o dinheiro hoje em dia domina tudo?!... Ainda ontem foi publicado pela Revista "Forbes" as estatísticas como os multimilionários estão em crescento. E outros querem desonestamente seguir-lhes as pegadas duma maneira ilícita e cruel! O teu Poema Poeta está como sempre excelente. Um abraço.

 
At 11/3/07 4:59 da tarde, Blogger Manel do Montado said...

O mais grave de tudo é o silêncio de muitas autoridades e edis, eles também frequentadores e “consumidores” a título gratuito do produto do tráfico.
A justiça não é inoperante, antes a culpa é de todos nós, uma vez que votamos para eleger os madraços que deveriam legislar para que os tribunais aplicassem. É que os juízes estão vinculados á lei e só podem aplicar aquela que têm.
Há casos, no interior do país em que desde o Presidente da Câmara, passando por vereadores, Comandantes ou chefes de posto e esquadra da GNR ou PSP, até a magistrados, tudo come na mesma gamela e as desgraçadas aguentam.
É o projecto de país que temos.
Um abraço

 
At 11/3/07 8:58 da tarde, Anonymous Jofre Alves said...

a triste condição humana que permite semelhante desgraça, deveras chocante. Um abraço.

 
At 15/3/07 11:05 da tarde, Blogger MRelvas said...

Ahhh...grande Manel do Montado,disseste uma grande verdade!...

Abraços Vitor e Manel

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home