segunda-feira, março 12, 2007

DIOGO CÃO

(Imagem recolhida na página Navegações Portuguesas do Centro Virtual Camões)

Mandado por D. João II - duas vezes (1482 e 1484) dizem alguns - aos descobrimentos. A História diz-nos que, em 1482 saiu de Portugal, pela primeira vez. Da sua carga faziam parte uns marcos de pedra constituídos por uma coluna encimada pelas armas nacionais e por uma inscrição que continha uma data (certamente a da partida para a viagem), o nome do rei e o nome do navegador, ou seja, o seu. Tais indicações podem ler-se no padrão que ainda hoje existe na Sociedade de Geografia de Lisboa, onde consta:

Na era da criação do mundo de 6681 anos, do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo 1482 anos, o mui alto, mui excelente e poderoso príncipe el-rei D. João II de Portugal mandou descobrir esta terra e pôr estes padrões por Diogo Cão, escudeiro da sua casa.

Eram marcos de propriedade que o rei de Portugal mandava colocar nas novas terras que se descobrissem.

Graças aos vestígios desses monumentos é hoje possível estabelecer, com exactidão, o percurso seguido por Diogo Cão e constatar até que ponto são incompletas e pouco exactas as escassas referências dos cronistas da época, sobre as viagens dos descobrimentos.

Com base nesses vestígios, sabe-se que Diogo Cão navegou atá à Mina e daí para o Zaire. Depois de vencer várias dificuldades navegou até à ponta dos Farilhões (serra Parda) aos 22º 10' de latitude sul. Regressou ao Zaire, que subiu, para visitar o rei do Congo.

Regressou ao Tejo em 1486, trazendo os conhecimentos necessários para atingir a África do Sul, navegando pelo largo, como viria a fazer Vasco da Gama.


N A V E G A D O R E S

Mandaste-nos, senhor, pelo mar fora,
Em busca doutras terras, doutras gentes,
Embora muitas vozes, descontentes,
Ousassem mal dizer, a toda a hora.

Cumprindo vosso mando, com coragem,
Partimos, sem demora, mar além.
E, mesmo temerosos, com desdém
Aos medos e perigos da viagem.

Chegámos ao convívio doutros povos,
De raças e costumes bem diversos,
Surgidos sabe Deus de que universos.

Por lá deixámos fé e cristãos novos,
Trazendo-vos mensagens de amizade,
Riquezas, maior glória, lealdade.

Vítor Cintra
No livro: VERTIGEM

16 Comentários::

At 13/3/07 1:41 da manhã, Blogger Escorpiana Explosiva said...

queria muito poder comentar + estou com uma dor de ouvido forte a manha eu passo aqui.

Valeu pela visita,bjo

 
At 13/3/07 10:57 da manhã, Blogger PR said...

Cão como eu, portanto. Boa semana, abraço,

 
At 13/3/07 12:48 da tarde, Blogger Mikas said...

a mim apetecia-me navegar para longe...

 
At 13/3/07 1:55 da tarde, Blogger leituras said...

Um resumo histórico imperdível sobre um dos grandes navegadores (tão poucas vezes lembrado), ilustrado com um poema sublime.

Boa semana

 
At 13/3/07 6:31 da tarde, Blogger chuvamiuda said...

.................

excelente trabalho o teu!

................

Abraço

 
At 13/3/07 11:14 da tarde, Blogger Conceição Bernardino said...

Avancemos com o amor

avancemos com o amor
porque a partir de hoje
esquecemos tudo o que
nos soa a duvidoso
valor estendemos nas
mãos o tecido das nossas
trocas amor vem comigo
retomar o caminho em
que nos soltámos um dia
em passeios pela
alma

Poema da autora “Marita Ferreira” do livro “Múltiplos de ti”

Vale apena reflectir neste poema está cheio de verdade
Beijinhos
ConceiçãoB
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

 
At 13/3/07 11:32 da tarde, Blogger Escorpiana Explosiva said...

Hoje + ou menos melhor posso dizer que adorei muito o que colocaste aqui.

Linda poesia e texto.

Somente aqueles que são leais com seus deveres é que se submentem a fazer o que esses homens fizeram.

Ir num barco sabe lá onde vam parar quem é que vai encontrar nop caminho,tudo por um rei que pouco pensa na vida deles.

Um abraço.

 
At 14/3/07 3:09 da manhã, Anonymous hilda said...

As histórias desses intrépidos navegadores portugueses devem ser fantásticas, pena que, como pude concluir do teu post que os registros delas são muito pouco.

Parabéns pelo lindo poema que os engradece!
Beijo

 
At 14/3/07 12:26 da tarde, Blogger Blueshell said...

Beijos de gratidão!
BShell

 
At 14/3/07 1:12 da tarde, Blogger mixtu said...

excelente tributo e agora vou nirar "rio de onor"

abraços

 
At 14/3/07 10:37 da tarde, Blogger Luna said...

e descobrindo,tudo perdemos,
beijos

 
At 15/3/07 6:32 da tarde, Blogger peciscas said...

O Diogo Cão, pelos vistos, nasceu lá para os lados de Vila Real, distrito onde vim ao mundo e cidade onde fiz quase todo o meu Liceu.

 
At 15/3/07 11:12 da tarde, Blogger MRelvas said...

Caro Vitor, um texto explicativo e pleno de História de Portugal, onde fala de um grande Rei deste Páis, que coordenou tudo para que os descobridores portugueses pudessem avançar!

Um poema lindo:

"Por lá deixámos fé e cristãos novos,
Trazendo-vos mensagens de amizade,
Riquezas, maior glória, lealdade."

E muita saudade!

Abraços

Mário Relvas

 
At 16/3/07 3:17 da tarde, Blogger tb said...

Um trabalho sempre de excelente qualidade que venho encontrar por aqui.
Beijos

 
At 16/3/07 6:56 da tarde, Blogger soslayo said...

Vítor Silva:

Ó meu amigo Poeta. Que lindas estas incursões que fazes na história dos nossos navegadores! Já para não falar neste terceto que mais me faz lembrar Camões. Parabéns e obrigado. Um abraço.

 
At 23/3/07 5:19 da tarde, Blogger Vera said...

Belo soneto meu amigo! E como sempre com uma aula de história de Portugal a acompanhar!
És magnífico!

Beijinhos

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home