segunda-feira, agosto 27, 2007

MORREU O POETA ALBERTO LACERDA

(imagem recolhida na internet)
O poeta Alberto de Lacerda, um dos fundadores da revista Távola Redonda, com Ruy Cinatti e David Mourão Ferreira, entre outros, faleceu em Londres, onde residia desde os anos 50, informou hoje o ensaísta e poeta Eugénio Lisboa, amigo do autor.
Segundo Eugénio Lisboa, foi o escritor Ian McEwan, amigo de Lacerda, quem, estranhando a ausência do poeta, com quem combinara almoçar, tomou primeiramente conhecimento da sua morte.
Quando o autor de «Expiação» chegou a casa de Lacerda, já este estava em coma. A sua morte ocorreu no domingo em Londres.
Para Lisboa, seu amigo e conterrâneo - são ambos naturais de Lourenço Marques, hoje Maputo - Lacerda é «um dos maiores poetas de língua portuguesa do século XX», um poeta «que tinha uma verdadeira paixão pela língua».
«Ele é um - qualificou - dos líricos mais puros da língua portuguesa. Era igualmente um homem de grandes convicções políticas. Era de esquerda. A sua poesia, embora contaminada por uma grande empatia com o sofrimento humano, em nada alterava o seu lirismo».

Diário Digital / Lusa

Porque será que Alberto Lacerda, sendo um homem de esquerda, não correu, depois do 25 de Abril de 1974, a sentar-se à mesa do Orçamento?
Será que Alberto Lacerda não era verdadeiramente um homem de esquerda, ou são os "homens de esquerda" da nossa praça que de esquerda só têm o facto de serem "canhotos"?

Ao poeta, intelectual honesto, que os medíocres da (in)cultura doméstica ignoraram, aqui fica a homenagem simples mas sentida.
.
P O E T A
.
Ser poeta... é delirar,
Delirar alegre, ou triste,
Fazer versos é sonhar
Co' aquilo que não existe.
.
Ser poeta... é esquecer,
Da vida a realidade,
É, num abraço, abranger
O mundo e a eternidade.
.
Ser poeta, realmente,
É viver da ilusão
Nas horas de solidão,
.
É escrever o que se sente
Dando asas, livremente,
À nossa imaginação.
.
Vítor Cintra
No livro: DISPERSOS

11 Comentários::

At 28/8/07 10:59 da tarde, Blogger Å®t Øf £övë said...

Vítor,
A verdade é que a literatura ficou mais pobre, fica o seu legado para que possa sempre ser recordado, o que ajudará a valorizar a humanidade.
Abraço.

 
At 28/8/07 11:08 da tarde, Blogger Alma de Poeta said...

Um poema muito bonito que revela a faceta do poeta.
Uma justa homenagem ao Poeta Alberto Lacerda.
Um beijo com carinho

 
At 29/8/07 12:23 da manhã, Blogger tb said...

Uma homenagem bela e merecida ao poet que este país de mentes pobres esqueceu.
Tenho andado um pouco retirada mas n esqueço os locais que gosto, como é aqui este lugar de poemas lindos.
Abraço forte

 
At 29/8/07 12:35 da manhã, Blogger Odele Souza said...

Vítor,
Que bonita sua homenagem a Alberto Lacerda. E perfeita sua definição do que é ser poeta.
Um beijo.

 
At 29/8/07 1:15 da manhã, Blogger Vera said...

Querido Amigo, uma homenagem lindíssima ao Poeta Alberto Lacerda!
Descreves o Poeta na perfeição!

Mil beijos

 
At 29/8/07 11:28 da manhã, Blogger Saramar said...

Muito bonita esta homenagem ao Poeta.

O mundo sempre fica mais escuro quando um poeta se vai...

beijos

 
At 30/8/07 11:41 da tarde, Blogger leituras said...

Amigo,
Este teu post poderia ser um abanão nas consciências, não fosse o caso dos (in)cultos, serem também... obtusos(?)

Boa semana

 
At 31/8/07 12:01 da manhã, Anonymous C�ndida said...

confesso que desconhecia . vou ter de ler alguma coisa dele.

 
At 31/8/07 1:33 da tarde, Blogger Papoila said...

Uma Homenagem sentida, comovida e bela ao poeta Alberto Lacerda.
Beijos

 
At 31/8/07 9:36 da tarde, Anonymous anne said...

Morre o homem, fica o poeta. A tua homenagem é muito bonita. Beijos.

 
At 4/9/07 11:43 da manhã, Blogger MRelvas said...

Uma boa interrogação:-O que são os homens de esquerda?

Abraço

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home