quarta-feira, julho 22, 2009

A dança dos compadres...

(imagem recolhida na internet)
Continuam a somar-se as «operações» pouco claras dos compadres. Desta feita é, uma vez mais, o iluminado "Jamais do deserto" (leia-se 'jamé') quem está no centro da polémica. Polémica que, como não podia deixar de ser, tem como base a monumental factura, que a incompetência (será?) nos vai obrigar a pagar, durante décadas.
A oposição, senão em uníssono pelo menos em peso, aponta o dedo à duvidosa negociata, que o Diário Digital, citando a Lusa, noticía.
O "zé" assiste, revoltado e enojado, ao lavar da roupa suja, ciente de que, seja qual for o resultado do alarido, será sempre ele o pagador.
.
G A N Â N C I A
.
Não basta pretender ganhar fortuna
À custa de princípios, ou direitos,
Pensando que os destinos 'stão sujeitos
À força, sem razão, inoportuna.
.
Quem anda por caminhos duvidosos
Em busca da fortuna, que não tem,
Acaba, certo dia, sem ninguém,
Chorando os seus triunfos, ruinosos.
.
Não há maior fortuna que ser pobre,
Mas ter, na rectidão e na prudência,
A força que dá paz à consciência;
.
Pois quem juntar riqueza, que lhe sobre,
Acaba moralmente prisioneiro
Daquilo que só paga com dinheiro.
.
Vítor Cintra
No livro: DIVAGANDO

4 Comentários::

At 22/7/09 11:05 da tarde, Blogger Å®t Øf £övë said...

Vítor,
Tenho a sensação que esta é uma dança que ainda mal começou, e que não tem fim à vista. E continue a música...
Abraço.

 
At 23/7/09 12:05 da manhã, Blogger Ana Martins said...

Este soneto Vítor é de uma verdade nua, tão nua que assusta!

Gostei muito!

Beijinhos,
Ana Martins

 
At 23/7/09 12:09 da manhã, Blogger Luz said...

Oportuno como sempre!
Bjs
Luz

 
At 30/7/09 5:14 da manhã, Blogger Lidia Radke said...

Cadê a dança?

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home